Página Principal | Noticias | Noticias | Ansiedade e o Novo Normal

Ansiedade e o Novo Normal

A ansiedade estimula o indivíduo a entrar em ação, nem sempre é vilã ou patológica, porém quando paralisa o indivíduo, e agrega complicadores e causa o adoecimento emocional, o movimento acaba sendo exatamente o contrário, impede reações, 
O indivíduo pode ser identificado como ansioso por sintomas físicos e psíquicos concomitantes, quando passa a ter reações desproporcionais e não consegue ter o controle de suas ações emocionais e respostas físicas, o diagnóstico é feito por um médico especialista,  como Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG).
 
O Transtorno de Ansiedade Generalizada é caracterizado pela ansiedade excessiva e preocupação exagerada com os eventos da vida cotidiana sem motivos óbvios ou identificados. 
Pessoas com sintomas de transtorno de ansiedade generalizada tendem sempre a esperar um desastre e estão sempre extremamente preocupadas com algo, como saúde, financeiro, e outros. Vivem o que usualmente denominam angustia.
 
O Brasil, dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), em Junho/2019, era considerado o país mais ansioso do mundo, em função dos moldes sociais e econômicos, que passa por períodos complicados e que se estendem a alguns anos. Isso impacta a população que precisa se adaptar a novas realidades constantemente e muitas vezes se readaptar e se adequar a novos cenários. Hoje, em 2020 é adicionada uma interferência grave, a pandemia causada pela COVID-19, que é uma doença causada pelo coronavírus, denominado SARS-CoV-2.
 
Neste momento chegamos a nossa atual realidade, ao que denomino de “novo normal”. Os transtornos de ansiedade antecedem a vivência da pandemia por questões sociais geradas pelo cenário de cada indivíduo e que não podemos banalizar ou julgar. Com esta mudança de cenário é preciso entender primeiro o momento, sem julgamentos. É preciso entender e respeitar as diferentes realidades, pois é diante desta individualidade que decisões e adequações são ressignificadas. Para se adaptar a atualidade, a adaptabilidade é competência essencial para lidar com a ansiedade, porém não é a realidade da maioria da população brasileira, para muitos este percurso pode ser longo e dolorido causando o que vou denominar de impotência emocional. 
 
Em tempos de Pandemia é possível identificar diversos fatores que podem desencadear a ansiedade. O que lidera está relacionado a incerteza de como e quando tudo isso passará, em seguida os medos: o medo de adoecer ou alguém que amamos adoecer, a possibilidade de morte que acaba prevalecendo como um fator muito forte, a perda da subsistência, a exclusão social, a impotência sobre proteger pessoas importantes, a dificuldade de ajustar a rotina com os filhos em casa e a mudança na forma de trabalhar.  Esse cenário afeta a saúde mental do brasileiro invadindo os lares de forma muito agressiva e avassaladora. O indivíduo apresenta reações desproporcionais e não consegue se acalmar ou se manter estável emocionalmente, com comportamento e reações de descontrole atípicos e muitas vezes, incompreensíveis. Ressalto sintomas importantes que embasam os profissionais da saúde mental na identificação dos sintomas de ansiedade. 
Principais sintomas: preocupações e medos excessivos; visão irreal de problemas; inquietação; sensação de estar sempre sob tensão; irritabilidade; tensão muscular; dores de cabeça; sudorese; dificuldade em manter a concentração; náuseas ou queimação no estômago; sensação de necessidade de ir ao banheiro com frequência; fadiga e estranhamento de cansaço constante; surgimento de tremores e espasmos; ficar facilmente assustado; aceleração cardíaca (arritmia); insônia e/ou sono agitado com ou sem pesadelos; dúvida sobre a própria competência e apatia geral. A frequência destes sintomas, por pelo menos seis meses, são determinantes no diagnóstico do transtorno de ansiedade grave.  
 
É importante a consulta ao psiquiatra e ao psicólogo com urgência, na maioria das vezes, a indicação do tratamento por meio de medicamentos será necessária e o processo psicoterapêutico concomitante é importante para a recuperação emocional da pessoa afetada. 
Do ponto de vista psicoterapêutico, o apoio familiar e de amigos pode ser de grande valia em cenários como esse, nos quais a vivência cotidiana interfere no âmbito psicológico. A Psicoterapia é um dos processos extremamente recomendados para indivíduos que sofrem de transtornos de ansiedade. Durante a psicoterapia o indivíduo aprende a reconhecer e mudar os padrões de pensamento e comportamentos que levam a sentimentos ansiosos. A terapia ajuda a limitar o pensamento distorcido e analisar as preocupações de forma mais realista.
Além disso, técnicas de relaxamento, respiração profunda (procure reservar momentos do dia para respirar lentamente),  podem ajudar a controlar a tensão muscular que acompanha frequentemente o Transtorno de Ansiedade. A prática de exercícios físicos e técnicas de mindfulness (atenção plena) é uma técnica meditativa que tem sido cada vez mais estudada e difundida como tratamento coadjuvante no tratamento de diversos transtornos mentais, são atividades que contribuem no tratamento da ansiedade. Ao sentir raiva, tristeza, medo, angústia, ansiedade, podemos tentar tomar consciência das sensações físicas que se apresentam ao invés de alimentar pensamentos. Quando acalmamos, relaxamos nosso corpo, consequentemente acalmamos nossos sentimentos, podendo esta técnica ser grande aliada da Psicoterapia e da intervenção medicamentosa.  
 
Os fatores ambientais mais comuns para o aumento da ansiedade envolvem traumas e eventos estressantes, como o que vivemos numa pandemia. Pontuo alguns fatores ambientais que podem contribuir para o aumento dos níveis de ansiedade: isolamento social; estresse no trabalho, escola ou outros ambientes de alta pressão; lidar com o abuso, violência, assédio moral e outros traumas; morte de um ente querido (divórcio  e luto); situações de grandes mudanças na vida como o casamento, mudanças de emprego, escolas ou mesmo cidade e país; questões relacionados, tais como depressão, transtornos alimentares e abuso de substâncias químicas; efeito colateral de medicamentos ou substâncias como drogas e o uso abusivo do  álcool, problemas financeiros ou desemprego; relacionamento difícil com o parceiro (a), membro da família ou amigos.
 
Não existe uma fórmula mágica para prevenir a ansiedade generalizada, mas é possível ter uma vida mais saudável que ajudará a manter a ansiedade longe da rotina. Exercícios físicos, alimentação regrada, dormir bem, vida social prazerosa e procure um psicólogo para prevenção, fazer terapia é cuidar da saúde previamente, não espere adoecer. 
 
Milhões de brasileiros sofrem de algum transtorno de ansiedade. Na maioria das vezes os quadros de ansiedade começam na infância ou na adolescência, mas pode começar na idade adulta.
Neste novo momento em que vivemos uma pandemia e não temos data para compreender o “vai passar” é necessária uma readaptação para o “novo normal”, não apenas nos controles de higiene e utilização de máscara, para os cuidados consigo e com o outro, é preciso também compreender a importância da sua saúde mental, buscando ajuda profissional e conhecendo o seu corpo e os seus limites de estresse. O autoconhecimento pode ser um aliado no combate à ansiedade. 
 
Em momentos de crise, a atitude mais sensata é abandonar o que se sabe ou pensa que sabe para mergulhar no que não se sabe sobre si mesma. Assim, é possível quebrar padrões mentais que nos limitam para resolver problemas de alta complexidade e, descobrir soluções inovadoras quando estamos vivendo sob intensa pressão. Nesse sentido, a psicoterapia é um dos recursos mais poderosos. Se você ainda não experimentou esse processo, encontre um psicólogo com o qual você se sinta confortável e peça contribuição.
É um momento muito novo, em que todas as informações já entraram de forma avassaladora pela nossa casa, através das mídias e redes sociais, no primeiro momento foi permitido, mas agora deve ser limitado.  A informação é necessária, mas escolha de onde você permite que venham estas informações e principalmente, em que momento você deseja e escolhe obter a informação, este é o diferencial. Ficar acompanhando a cada minuto as notícias serve apenas para aumentar os níveis de ansiedade e sentimento de desesperança. Procure as informações em lugares que sejam de confiança, por exemplo, órgãos competentes e evite fazer isso durante à noite para não prejudicar o sono. O exagero corrompe o indivíduo e a escolha de uma a vida saudável, seja assertivo com você e escolha a moderação para vida. 
 
Descubra prazeres que possam desviar as tensões e que sirvam de estratégias para driblar o estresse. Permita-se descobrir novas atividades que tragam prazer. Dançar, cantar, sorrir, tocar um instrumento musical, costurar, fazer palavras cruzadas e ler pode ser boas alternativas. Aprender uma atividade manual como pintura, marcenaria, artes plásticas, jardinagem ou mesmo aprender a cozinhar, podem despertar novas sensações e elevar o humor e autoestima. Inclua toda a família nas atividades, as crianças também sentem o isolamento e sofrem. Os Filmes, as séries, as lives e a animação ou recreação virtual tem aparecido como uma excelente opção. É importante viver bons momentos com quem se ama, mantendo-se próximo das pessoas que fazem parte da nossa constância, mesmo que muitas vezes distante, utilizando as chamadas de vídeo, se não for possível o contato presencial. 
 
É fundamental para lidar com as mudanças desse momento, cuidar do corpo, das unhas, dos cabelos, fazer a sua maquiagem, fazer a barba, usar perfume. Desta forma, você sinaliza para o cérebro que você está vivo, ativo, e, portanto, produtivo. 
O mundo é novo, mas precisamos nos aproximar dos prazeres que ele nos permite. É importante que diante do novo e das dificuldades possamos sempre aprender a renascer, valorizando o que de bom o momento nos apresenta, não deixando que prevaleça os acontecimentos ruins. O desafio trazido pela quarentena pode tanto se tornar uma experiência traumatizante, como um período onde aumentamos nossa tolerância com as dificuldades da vida, desenvolvendo novos recursos e habilidades internas.
 
O Transtorno de Ansiedade não pode ser um rótulo que nos caiba como se fosse um uniforme, é possível vencê-lo seguindo a constância de escolhas positivas e satisfatórias apresentadas ao nosso cérebro.  É possível modular o corpo e assim regular a emoção (ansiedade) e a mente, em seguida reestruturar os pensamentos distorcidos e assim regular a emoção e o corpo.
 
A mente ansiosa teme o futuro, esperando que algo ruim aconteça, seja ativo na construção do seu cenário em busca de resposta satisfatória. 
O Mundo não acabou ele apenas mudou de cores, viva um dia de cada vez e deixe seu mundo ser um arco-íris.